segunda-feira, 7 de novembro de 2011

50 anos a mil - Lobão e Cláudio Tognolli


Autores: Lobão e Cláudio Tognolli
1ª Edição / 2010
Número de Páginas: 591
Editora: Nova Fronteira

Bem, eu nunca fui grande fã do Lobão, também não conhecia nenhuma música, além das que tocam na rádio e as que eu escutava por causa da minha mãe (Vida Bandida, Me chama, Corações Psicodélicos, Vida Louca Vida). Quando eu comprei foi por mera curiosidade, queria saber o porque de todos o tratarem como uma figura polêmica.

Na verdade acabei descobrindo que ele teve uma vida bem conturbada, de momento alegres a momentos de imensa tristeza, um menino super protegido pela mãe, com a qual tinha uma relação estranha. Uma pessoa que teve muitos momentos de altos e baixos, mas que lutou por tudo que se comprometia fazer. Lobão conta momentos constrangedores de sua vida, momentos que me fizeram passar vergonha no ônibus (local de minha leitura insana), pois eu ficava rindo sozinha (imagine isso num ônibus lotado, logo pela manhã. Sem falar a noite com minha companheira inseparável - a lanterna - pois os motoristas sempre apagam as luzes do ônibus de ar condicionado). Também tem momentos bem tristes, e momentos em que eu pensava: se fosse comigo, eu já teria desistido.

Mesmo sendo esse cara que, eu continuo achando, fala muitas bobagens, Lobão foi bem imparcial ao falar se sua vida. Falou de tudo que passou, e Cláudio usou as reportagens para confirmar. Falou sobre Cazuza, que pelo livro e filme - feitos pela mãe - não bate muito com o Cazuza relatado por ela.

Falou de sua passagem pelo samba, do episódio com a bateria da mangueira no Rock in Rio II 1991, fala sobre a prisão e tantas outras coisas.

Bem eu recomendo, gostei bastante. Minha opinião mudou bastante sobre ele, mas ele ainda continuo achando que ele fala muita bobagem.

















Nenhum comentário:

Postar um comentário