quinta-feira, 14 de agosto de 2014

Cinquenta tons de cinza - E. L. James

Trilogia Cinquenta Tons de Cinza
Título Original: Fifty Shades of Grey
Autora: E. L. James
Editora: Intrínseca
Número de Páginas: 480
ISBN: 978858057219-3
Ano: 2012
Nota: 2/5

          Me rendi aos Cinquenta Tons. É, sempre disse que não terminaria a leitura deste livro depois da minha tentativa frustrada em 2012, da qual não passei da 100ª página. Mas aí veio o trailer do filme [e quem é que resiste a um trailer de filme? Bem, eu não]. Assim, resolvi ler o livro, e como muitas pessoas falam por aí: "o livro melhora depois de umas 100 páginas" [Será que é verdade? Resolvi tentar]. Se me arrependo? Não!!! Mas sem dúvidas, esse não é o livro que muita gente fala por aí. Então vamos ao que eu achei.

          Ana é uma universitária, inteligente [será?!], desastrada e bonita, mas com um baixa alta estima [troço estranho, ela te lembra alguém?]. Um dia ela vai entrevistar Christian Grey, um bilionário, lindo, maravilhoso, charmoso, talentoso [existe mais -oso pra definir esse homem?], e cai na frente dele [dá pra ser menos cliché?]. Depois disso o cara começa a persegui-la [pra mim, era perseguição], e sempre dizendo que está preocupado, que quer o bem dela, mas que ele é perigoso, que é melhor ela ficar longe dele... blá blá blá... mas o cara continua perseguindo [dããããã].

       A relação dos dois paira entre amor intenso e um medo terrível. E pasmem: A mocinha era virgem [oimmm mais que fofo, não? NÃO]. Até consegui achar a primeira noite dos dois bem excitante, mas vamos combinar, foi muito conto de fadas pra uma primeira noite, não que eu quisesse ler a realidade, mas não precisava ser tão perfeita [gzuis, não sou romântica]. 

        Os diálogos do livro eram bem chatos, sério, acho que foi por isso que não resisti a primeira tentativa de leitura. Os e-mail que eles trocavam, as vezes, eram legais, mas mesmo assim, alguns eram um pé no saco dos infernos [não tô exagerando]. Pra quê tanto "baby", todo mundo fala "baby". E que coisa louca a fixação do Grey por comida [eu teria mandado ele catar coquinho no Alasca, cara chato]. Muita coisa era extremamente irritante no Grey, sério, não quero um homem desses pra mim [só se vier com o dinheiro e a disposição pra sacanagem, hihihihihih safadeeeenha]. O cara é totalmente pirado, não vi nada de "encantado" nele.

         3/4 do livro é sexo, depois que a Ana liberou pro Grey, eles dialogavam tão pouco que eu não consegui perceber a passagem de tempo [acho que foi influência das cenas eróticas]. Algumas cenas eram intensas, com bastante detalhe, e se você deixar a imaginação fluir, uiiii fica uma delícia. Mas o resto foi na leitura dinâmica, as vezes, dava vontade de pular o diálogo e ir pra sacanagem. 

      Mas mesmo com a história fraca, não rolou a gata borralheira com o príncipe encantado bilionário, estou curiosa pra ler o resto [affff, a curiosidade matou a gata, MORRI]. Mas sinceramente, não me empolguei pelo casal. A autora tentou dar um tom de Amor a relação, mas o que eu vi foi POSSE, um lutando pela posse do outro. A temática BDSM também não achei bacana. Não que eu condene isso, ai de mim pensar assim, mas não acho que a pessoa que seja ferrada mentalmente vai acabar numa relação assim. Sei lá, acho que não foi uma forma bacana de tratar esse tema.

          No fim, esse livro não é dos piores, mas não é essa maravilha toda que o tornou tão famoso ao ponto de virar filme. Por sinal, acho que o filme não vai ter metade do que tem no livro, até porque, teria que ser feito por atores pornô. Isso seria um filme para a Playboy e não para a Universal, então vocês imaginam: as melhores partes do livro serão cortadas e o que sobra é a nossa imaginação e o diálogo dos personagens [corram para as montanhas].

          O Trailer é muito bom, aliás, foi por cauda dele que eu retornei a leitura. E o jeito é esperar pra ver o que será desse filme.


          E vamos combinar, Crazy in Love ficou Phodástica nessa versão.

2 comentários:

  1. Adorei o catar coquinho no Alasca, kkkkkkkkkkkk
    Concordo plenamente com você. mas sério que você acho a primeira noite romântica com o : -Vamos ali resolver o seu problema? Aff.
    Enfim também não acho essa maravilha toda, tem livros nesse assunto bem melhoressssssss.
    Agora é esperar o filme (ruim).
    bjs
    Luana
    www.blogmundodetinta.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ahhh Luana, tirando essa fala terrível dele, porque ele não faz amor, ele FODE. huahua, achei a primeira noite bem incrível, tipo, ele tentou resolver o "problema", mas tentou não ser um ogro. Mas foi muito perfeita, pro meu gosto. Acho que a culpa é da Ana estar narrando a cena e achar que ele foi o príncipe encantado.
      E, vamos ao filme tosco. huahua

      bjks

      Excluir