sábado, 7 de fevereiro de 2015

Dias Perfeitos - Raphael Montes

Título: Dias Perfeitos
Autor: Raphael Montes
Editora: Companhia das Letras
Páginas: 280
ISBN: 978-85-359240-1-5
Ano: 2014
Nota: 5/5

          O que falar desse livro?? INCRÍVEL.
          Ele é um dos melhores livros que já li até hoje.
          Nunca tive tantos sentimentos contraditórios em uma única leitura.

          Téo é um estudante de medicina que divide seu tempo entre a faculdade e os cuidados com sua mãe paraplégica. Aparentando o bom filho que cuida da mãe carinhosamente e que se dedica aos estudos, Téo esconde uma personalidade muito mais obscura, talvez até uma psicopatia.
"Não gostava de ninguém, não nutria nenhum afeto para sentir saudades: simplesmente vivia. Pessoas apareciam e ele era obrigado a conviver com elas. Pior: era obrigado a gostar delas, mostrar afeto. Não importava sua indiferença desde que a encenação parecesse legítima, o que tornava tudo mais fácil."
          Um dia ele vai a um churrasco e conhece Clarice, uma moça que preza a liberdade e diversão, extrovertida e que faz o que bem entende. Daí surge uma paixão, uma obsessão, um desejo irrefreável de tornar Clarice a sua mulher.

          Téo começa a seguir Clarice e a resgata nas ruas da Lapa após uma bebedeira e a leva pra casa. Achando que a conquistaria, Téo leva um presente para ela. Mas Clarice é mais esperta do que ele pensava, ela nota que ele arquitetou maneiras de descobrir dados sobre sua vida e que a estava seguindo. Ela pede para que ele se afasta e isso desperta uma necessidade de mostrar a ela que ele é o homem certo para a vida dela.

          Téo sequestra Clarice e começa uma viagem com ela pelos mesmos lugares onde se passa o roteiro de Clarice, "Dias Perfeitos", um filme que ela está escrevendo.

          O interessante desse livro é que tem uns trocadilhos com alguns clássicos da literatura: O "Hotel Fazenda Lago dos Anões" tem 7 chalés com o nome dos 7 anões e, todos os funcionários são anões. O Hotel a caminho de ilha grande se chama "Motel das Maravilhas" e ele chega a citar "Clarice no Motel das Maravilhas". E por fim, eles vão para a "Praia do Nunca", em Ilha Grande.

          Téo se mostra um psicopata, embora não seja mencionada tal termo no livro. Ele leva o seu objetivo as última consequências. Me assustei com a frieza em que ele cometeu algumas atrocidades e o como ele se justificou pra tanto. Eu fiquei surpresa por não sentir repulsa pelo personagem, na verdade eu não sei ao certo o sentimento que senti perante ao Téo. A obsessão dele por vezes me amedrontou, eu não podia imaginar as coisas que ele foi capaz de fazer pra Clarice ficar ao lado dele.

          Em contraponto, Clarice é bem guerreira, não se deixa abalar e está sempre tentando escapar. Mas convenhamos que ela não é tão esperta assim, sinceramente, eu fiquei com muita raiva dela em alguns momentos, até quis que ela sofresse um pouco mais, mas os últimos dias em Ilha Grande, esses sim, eu senti uma pena e compaixão sem tamanho pela situação dela.

          Ahhh o final.... esse foi INCRÍVEL. Foi o final mais surpreendente que eu já vi em um livro. Vindo de muitos livros que a gente já imagina qual seja o final já no meio do livro, esse deu uma baita rasteira em mim. Foi o FINAL. Foi aquele em que você fecha o livro e diz: FILHO DA PUTA (desculpe o palavrão, mas só um palavrão pra esse final). E Gertrudes, que no início era só uma defunta na mesa de laboratório na aula de anatomia, ganha vida e trás um Gran Finale.

Este livro faz parte do Desafio Literacional 2015. 
Tema: Ler um livro nacional que tenha alguma cena na praia.



Praia de Copacabana
Ilha Grande

2 comentários:

  1. Tete,
    Você tirou as palavras da minha boca, ou melhor dos meus dedos.
    Eu iria resenhar mas você disse tudo, kkkkkkkkkkk
    Virei fã.
    Agora é partir para Suicidas, né? E torcer para o Raphael continuar escrevendo.
    bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lua,

      E foi difícil, eu não sabia o que dizer nessa resenha. E teve que ter um palavrão. kkkk Só ele resume o sentimento.
      Já estou a procura de outros livros do Raphael. E com certeza, ele tem que se manter com a caneta na mão. kkk Ou a gente sequestra ele e leva pra uma ila deserta. hauhauhaua
      Bjks

      Excluir